Bem vindo ao Via Consciência, um blog dedicado à comunicação conscienciológica, onde o ser humano em evolução é o principal tema de pesquisa.

Todos os textos neste blog são de autoria de Mário Luna Filho, salvo aqueles em que a fonte for mencionada. Críticas e comentários são bem vindos.

"Não acredite em nada que ler ou ouvir neste blog. Reflita. Tenha suas próprias opiniões e experiências."

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Estados Alterados da Consciência

Por estados alterados entendemos todo o estado da consciência fora do padrão normal da vigília física ordinária, e que podem ser promovidos por agentes físicos, fisiológicos, psicológicos, farmacológicos ou parapsíquicos. Também conhecidos por deslocamentos das percepções conscienciais ou estados xenofrênicos, ele são caracterizados tanto na condição intrafísica da consciência quanto na extrafísica, incluindo o estado projetado, e podem se manifestar de várias formas, através do devaneio, do estado sonambúlico, da hipnagogia, do pesadelo, do sonho comum, da alucinação entre muitos outros.

A partir de uma análise médica, um estado alterado da consciência pode desencadear vários padrões de comportamento fora do habitual, como alterações na concentração, atenção, memória ou julgamento crítico, distúrbios na percepção do tempo cronológico, distorções na percepção da realidade, extremos emocionais, oscilando do êxtase e da alegria ao medo e pavor proufndos, inefabilidade, receios de perder contato com a realidade, sensações de separação entre a mente e o corpo humano etc.

Os estados alterados da consciência são unidades isoladas de eventos mentais associados e específicos. Cabe à consciência perceber e identificar tais estados quando ocorrem para não confundí-los com a projeção consciente, se projetado, ou com a realidade intrafísica, se no estado de vigília física ordinária. Vários estados alterados podem ser classificados na projeção da consciência, como autosugestão, autohipnose, auto-assédio, catalepsia, devaneio, sonho, pesadelo, sonambulismo, transe hipnótico ou parapsíquico, hipnagogia entre outros. Compreender os estados alterados e identificá-los classifica a projeção de maneira lógica e lúcida e para isso precisamos do discernimento através da conscientização para distinguí-los na experiência fora do corpo físico.

Os aspesctos físicos emocionais podem desencadear um estado alterado na medida em que a consciência, tomada de forte emoção, diminui a sua capacidade de discernimento e percepção da realidade, comumente sendo levada a distorções interpretativas das situações vividas. Quando num estado alterado pelas vias emocionais, tendemos a defender pontos de vista que os outros não conseguem entender, a ver a realidade de uma maneira que não condiz com os fatos. A lógica, aqui, ganha uma abordagem individual e patológica, distante da razão, onde a explicação para as consequências de um evento simplesmente não existem nem se sustentam na visão daquele tomado pelo estadpo alterado das emoções. Esta condição é muito comum na vivência diária, seja numa discussão no trânsito, no torpor de uma frustração, no transe da meditação, no êxtase de uma alegria etc.

Mas os estados alterados da consciência podem apresentar também uma condição própria e adequada para a interiorização da consciência, para o "encontro consigo mesma," seja por meio da mobilização básica das energias, da meditação, do relaxamento físico profundo, ou nos estados de transe parapsíquico, entre outros, em que saímos da vigília física ordinária para adentrar nosso universo particular, não constituindo, portanto, uma alteração para estados patológicos.

Contudo, muitas dúvidas surgem com a experiência sobre as diferenças entre projeção e sonho e sonambulismo, entre devaneio, pesadelo, alucinação e projeção, também na identificação de imagens oníricas durante a projeção, tanto lúcida quanto semilúcida, entre pesadelo e assédio extrafísico e assim por diante. Porém, quanto mais aprofundarmos a abordagem analítica de cada estado alterado da consciência mais fácil será o entendimento de suas complexidades.

Um comentário:

  1. Seria bom citar o Projeciologia do Waldo como fonte deste texto.

    ResponderExcluir